10 medidas que o Brasil deveria tomar para voltarmos a ser grandes economicamente

Precisamos investir em educação. Precisamos de reforma política. Esse é o discurso comum. Mas com propostas abstratas o tempo vai passando e nada é feito. E nada muda. Sem ideologia. Sem partidarismo. 10 medidas que o Brasil deveria tomar para voltarmos a ser grandes economicamente.

1. ACABAR COM A ESTABILIDADE DO SETOR PÚBLICO.
Em geral quando há ajustes no mercado de trabalho, esse ajuste ocorre apenas no setor privado. Saber que um funcionário público jamais será demitido faz com que, de 140 países, o Brasil seja o 136º em eficiência do setor público.

2. SIMPLIFICAR O PAGAMENTO DE IMPOSTOS.
O Brasil gasta hoje 2.600 horas apenas para preparar a documentação para pagar os impostos, contra 176 horas dos países da OECD. Utilizar um imposto simples como o IVA (Imposto sobre valor agregado) utilizados em economia desenvolvidas reduziria essa ineficiência tributária.

3. REDUZIR O TEMPO PARA ABRIR UMA EMPRESA.
Hoje um empreendedor em São Paulo gasta 101 dias em média para abrir uma empresa. contra uma média de 8,3 dos países da OECD. Fica difícil gerar empregos quando se demora de 3 a 4 meses para abrir uma empresa.

4. POSSIBILITAR 100% DE CAPITAL ESTRANGEIRO NAS AÉREAS
É obsoleta a ideia de que esse seja um setor estratégico e apenas empresas nacionais podem defender os interesses do país. Com essa mentalidade o Brasil é o 12° país mais caro do mundo para viajar de avião.

5. FAZER COM QUE AQUELES QUE POSSUAM CONDIÇÕES (RICOS) PAGUEM PELA SEU CURSO NA UNIVERSIDADE
No Brasil os pobres pagam impostos e financiam os ricos nas universidade. Em 2014, metade dos calouros da USP estavam entre os 20% mais ricos do país. A ideia de acesso universal à educação não existe.

6. AUMENTAR A IDADE MÍNIMA DE APOSENTADORIA.
A expectativa de vida aumentou de 69 (em 1990) para 76 anos (em 2016) nos últimos anos e a regra de aposentadoria praticamente não se alterou.

7. EQUALIZAR A APOSENTADORIA DE HOMENS E MULHERES
No Brasil, a mulher vive em média 78 anos e pode se aposentar aos 60; a expectativa de vida masculina é 71 anos, mas a idade mínima para se aposentar é de 65 anos. Não há porque haver essa diferença entre homens e mulheres. E aquelas que defendem a igualdade de gênero com certeza vão concordar.

8. ACABAR COM O FGTS.
O trabalhador contribui todo mês com 8% do seu salário para um fundo que ele só pode resgatar se for demitido. Ele recebe de correção 3% ao mês. Quando se tem uma inflação de 10% ao ano, o trabalhador está emprestando dinheiro ao governo que poderia utilizá-lo da melhor maneira que decidisse no seu dia a dia.

9. MELHORAR A INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA
De 144 países, o Brasil ocupa a 135ª posição no item qualidade dos portos. Um contêiner fica em média 12 dias parado em Santos, contra três em Hamburgo na Alemanha. O resultado é uma logística ineficiente o que encarece ainda mais os produtos no país.

10. PRIVATIZAR CAIXA E PETROBRÁS
Já deveríamos ter superado esse debate.

leo1

Comentários

Sobre Leonardo Siqueira 50 Artigos
Exilado em Barcelona - Espanha Saído das camadas baixas da população brasileira, com muito esforço (e uma dívida imensa) conseguiu se formar na tão sonhada Escola de Economia de São Paulo da FGV. Não satisfeito com sua dívida da FGV resolveu fazer mais uma para cursar o Mestrado em Economia na Barcelona Graduate School of Economics, e fez o maior crowdfunding de educação da história do país. Nos tempos vagos tem o estranho hábito de assistir discursos de políticos como Collor, Barack Obama, John Kennedy e também do pastor Silas Malafaia, pois segundo ele, “esses caras vendem areia na praia”. O máximo que conseguiu com essas técnicas de persuasão, entretanto, foi uma cobertura extra no McDonald's. No ensino médio foi monitor de matemática e entrou pra história como primeiro monitor a ficar de “recuperação” com o restante da sala, mostrando desde cedo seu espírito de equipe. Tirando esses percalços da vida, possui diversos artigos nos principais veículos como: Valor Econômico, Folha de São Paulo, G1, UOL etc.

5 Comentário

  1. Acho que "sem ideologia" não procede Leonardo, mas sem entrar neste mérito:

    Há tópicos que vejo como bastante interessantes, outros que tem mto a ser discutido sobre "como fazer" - e a forma de implementa-lo definiria sua vantagem ou dano para a sociedade - e alguns que parecem bastante nocivos nos termos que se propõe e em como são tradicionalmente discutidos.

    É momento de estabelecer criticas e propor soluções para um cenário politico e econômico bastante frágil (para dizer o mínimo...). Espero que inciativas como estas evoluam e, mesmo quando discordar das propostas feitas, que a discussão se consolide.

  2. Apenas dizer que é preciso melhorar infraestrutura também não é discurso comum? Privatizar também, sem ao menos citar uma proposta?

    Como não existe idelogia? O autor aborda de forma superficial e poliana todos os pontos, e acha que sua pseudo-tecnica pode retira o seu viés ideológico, no caso extramente liberal.

    E ainda comente erros, como FGTS, não é o trabalhandor que paga.

    Gosto muito do Terraço, por que sempre foram a fundo nas questões, mas por diversas vezes encontro essas ancoras como essa nesse belo site.

    Juliana Nomura

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*