2018 e as fortes emoções que ainda estão por vir

Há quem diga que o ano de 2018 já tenha se encerrado em alguns aspectos. Na política, por exemplo, não é difícil pensar que o ano já tenha se encerrado. Com a maior impopularidade desde a redemocratização para Michel Temer (mais de 80% de ruim/péssimo) e um Congresso altamente preocupado com sua própria reeleição, é difícil imaginar que pautas tão relevantes quanto a reforma da previdência possam ser aprovadas até 31 de dezembro. Porém, engana-se quem imagina que isso significa que as emoções se encerraram.

Internacionalmente, a bola da vez é ficar de olho no movimento da taxa de juros dos Estados Unidos. Após a crise internacional de 2008, os detentores da dívida pública mais segura do mundo colocaram seu rendimento em virtuais 0%, buscando estimular a economia local através de maior liquidez de empréstimos. Dez anos depois, observando que os efeitos começam a ser sentidos em termos de inflação, os EUA começam aos poucos a subir seus juros. Por que isso importa tanto? Porque sua dívida pública passa a ficar mais rentável e, consequentemente, atrair capital do mundo todo. Os mercados emergentes – Argentina, Turquia, Brasil e outros – já estão sentindo o peso disso através da desvalorização de suas moedas.

Confira o artigo na íntegra na Revista da Associação do Comércio e Indústria de Franca (página 42, edição número 264).

Comentários

mm
Sobre Caio Augusto 74 Artigos
Formado em Economia Empresarial e Controladoria pela Universidade de São Paulo (na maravilhosa FEA-RP), é apaixonado por discutir economia/política e acredita que é possível discorrer sobre tais assuntos de maneira descontraída - o que talvez tenha origem em sua vontade, desde os 12 anos de idade, de ser economista e de pesquisar sobre assuntos afins assiduamente desde a crise econômica mundial de 2008. Atualmente trabalha como gestor financeiro em uma empresa de pequeno porte do interior de São Paulo, acumula recursos para projetos futuros, escreve para o Terraço Econômico e arquiva suas publicações em seu blog pessoal, o Questão de Incentivos. Sonha em deixar algum legado para a discussão econômica e adora o campo das políticas públicas.