Alckmim, o problema deve estar no centro

Há algumas semanas atrás havia muita especulação sobre quem seria o presidenciável do famigerado “Centrão”. O Centrão para quem não sabe, é um grupo fisiológico que atua dentro do Congresso Nacional, com uma base que em 2016 era composta por doze partidos  (PP, PR, PSD, PTB, PROS, PSC, SD, PRB, PEN, PTN, PHS e PSL) garantindo ao grupo a maioria simples nas votações da Câmara dos Deputados.

O Centrão existe desde a Constituição de 1988, mas a sua “popularidade” chegou ao ápice a partir do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, momento em que ficou bem clara sua influência no resultado geral em votações do legislativo. O impedimento de Dilma foi sacramentado devido aos votos do Centrão, uma história já muito bem documentada aqui pelo Terraço.

Devido a isso, o Centrão passou a ser temido e o seu apoio passou a ser procurado como garantia de governabilidade. Além disso, ser do Centrão garante algumas vantagens desde a candidatura, como maior tempo de televisão. Seguindo essa lógica, vários candidatos a presidência procuraram ter a benção do grupo, algo que acabou sendo conseguido por Geraldo Alckmin, presidenciável pelo PSDB. Assim, os atuais partidos que compõem uma parte do Centrão - PP, PR, PRB, DEM e Solidariedade - aderiram a campanha presidencial do candidato tucano, algo que gerou elogios, críticas e até mesmo preocupação.

Essa base de apoio leva a duas interpretações sobre a candidatura de Alckmin. A primeira é a interpretação pragmática, de que o candidato, caso eleito, poderá ter o apoio necessário para aprovar importantes reformas estruturais, a exemplo da Reforma da Previdência. Mas há uma segunda interpretação: a de que Alckmin seria um autêntico candidato do sistema (cheio de vícios) e, assim como Michel Temer, acabará ficando preso aos interesses espúrios da sua base política.

Seja como for Alckmin e também os demais candidatos devem colocar os problemas do Brasil, como a necessidade de reformas estruturais, elevado desemprego e graves problemas na saúde e na educação no centro da discussão, com prioridade máxima. No enfrentamento desses problemas, o Centrão oferece uma maior margem de manobra, margem essa que depende de um conhecido fisiologismo, que nem sempre vai ao encontro das necessidades do Brasil.

Comentários

mm
Sobre Lucas Adriano 12 Artigos
Graduando do 9º período de Ciências Econômicas, na Universidade Federal de Viçosa (UFV). Participa de um grupo que trata de temas relacionados a criminalidade (LAEC), faz iniciação científica e já foi monitor de macroeconomia. Vindo de Ponte Nova (MG), cruzeirense e fã de observar a abordagem econômica sendo utilizada nos mais diversos assuntos. Espera um dia poder dar a sua contribuição para a Ciência Econômica.