Brasil gasta mais com inovação do que Japão, segundo Marcos Lisboa

O Brasil é o sexto país entre as principais nações do mundo com maior taxa de subvenção à inovação e, no entanto, não é bem sucedido neste aspecto. Por quê? É deste ponto que parte a análise do economista Marcos Lisboa no evento “As velhas e as novas faces da burocracia no Brasil”, parceria entre o Imil, a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) e a UM Brasil. “O governo brasileiro gasta mais com inovação do que Inglaterra e Japão. Por que fracassamos?”, questiona o diretor-presidente do Insper. Segundo Lisboa, a política econômica que foi implantada no Brasil, apoiada pela maior parte das lideranças empresariais do país, não estimula a inovação ao proteger a economia doméstica e setores da cadeia produtiva. “A Lei do Bem concede crédito para as grandes empresas e não para as pequenas que estão surgindo. O Brasil protege os setores quando eles estão ameaçados pela competição. Fechamos a nossa economia, nós a isolamos das cadeias globais de produção. Isso quer dizer que a inovação que surge na Alemanha não chega ao Brasil”. Segundo Lisboa, para cada setor há uma política protecionista diferente, uma regra específica, gerando um emaranhado burocrático. “A burocracia é o efeito colateral dessa disseminação de politicas de proteção”, diz ele. Quer saber mais? Assista ao vídeo.

 

 

 

Comentários

Sobre Terraço Econômico 291 Artigos
O Terraço Econômico é um espaço para discussão de assuntos que afetam nosso cotidiano, sempre com uma análise aprofundada visando entender quais são as implicações dos eventos econômicos, políticos e sociais. Desde seu início, o Terraço se compromete a oferecer conteúdo de qualidade, opinião equilibrada e imparcial, baseada em fatos passíveis de confirmação.