A ilusão do “novo” na política

Na semana passada, o PSDB lançou seu programa político nacional[1]. Na propaganda, de dez minutos de duração, novos políticos do partido se reúnem numa roda com cidadãos comuns para construir uma resposta à pergunta por onde começar a mudança de que o Brasil tanto precisa? As falas selecionadas e editadas para o vídeo giram em torno de termos como renascimento e renovação[2], ecoando a ideia mais batida do atual cenário: a necessidade do novo na política.

Essa retórica não é exclusiva dos tucanos. O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, do PT, abriu sua campanha para as eleições de 2012 com o slogan “um homem novo para um tempo novo[3]; Marina Silva, fundadora da Rede Sustentabilidade, articulou sua campanha presidencial em 2010 em torno da “nova política”, da qual seria a representante paradigmática[4]; ora, em 2015 foi devidamente registrado um partido cujo nome é – nada mais, nada menos – Partido Novo[5]!

A crescente onda de insatisfação e desconfiança da população brasileira com a classe política nacional produziu como principal consequência (ou reação) a generalização do apelo ao novo. Compreensível, já que quem reivindicar com sucesso tal rótulo terá conseguido se dissociar do bando e, com isso, da referida desaprovação popular.

No entanto, dadas a vagueza inerente e a relevância que o apelo ao novo adquiriu, é importante refletirmos sobre sua presença no discurso político. Duas perguntas: o que significa “novo”? (ou seja, quando se fala na nova política, em que, exatamente, estamos pensando?) e por que devemos apostar nossas fichas no “novo”? (se tantos atores políticos mobilizam esse termo, é porque esperam, com isso, ganhar o apoio (em votos) da população e dela receber mandatos eleitorais; mas devemos mesmo votar no novo? Por quê?).

O vazio do novo

A palavra “novo” é um adjetivo (às vezes substantivado) cujo significado se estabelece por referência transitória a um padrão temporal. Nada é novo por muito tempo, e o que é novo deixa de sê-lo após algum tempo[6]. Mais: ressalvados casos de originalidade absoluta (nos quais, por sinal, o adjetivo raramente é usado), o novo se diz novo em contraste ou oposição ao velho – que passa a ser velho apenas quando do surgimento do novo.

Todo esse malabarismo para mostrar o caráter relativo ou comparativo dessa qualificação. Agora o próximo passo: relativo a quê? Ao tempo, apenas. Aí que a pá entorta.

Por uma série de razões culturais, estamos acostumados a associar novo a algo melhor. Quando alguém fala que comprou um carro novo, que conseguiu um emprego novo ou que está com um/a parceiro/a novo/a, presumimos automaticamente que a troca tenha sido para melhor – embora, obviamente, nem sempre seja o caso[7].

Um exemplo histórico-político grosseiro está na assimilação, ainda que inconsciente, de conceitos como modernidade e progresso em termos de sucessão temporal: o que vem depois é mais moderno do que o que vem antes, e o progresso se dá em relação ao passado, ao antecedente. Essa narrativa linear faz com que se projete uma carga inexoravelmente positiva no futuro, no porvir[8].

Numa frase (agora infame entre nós): pior do que está, não fica. Eis a maneira como uma palavra vazia como novo sintetiza nossa esperança.

A ilusão do novo

Se novo não é necessariamente melhor, por que, então, devemos apostar o futuro político do Brasil nisso? Simples: não devemos.

Quando agentes políticos articulam seus discursos em torno da ideia do novo, geralmente se trata de uma entre duas hipóteses: a) ou bem estão apenas respondendo, de maneira cínica, fingida, ao descontentamento popular – dirigido contra tudo que está aí; b) ou então estão se eximindo de detalhamentos e explicações maiores sobre seus planos, propostas e programas e pedindo, na verdade, um cheque em branco vindo das urnas.

A revolta contra o atual quadro político-institucional no Brasil é perfeitamente compreensível, mas não implica uma negação radical imediata. Da mesma forma como nova política não se traduz em política melhor, não-política pode não ser melhor que política – por isso, quando alguém se diz “gestor, não político”, isso não satisfaz o ônus da prova de qualidade.

Em suma, a pergunta não deve ser pela novidade, mas por melhorias. O novo, pode ser pior, nem toda reforma vem para melhorar, nem toda mudança se traduz em avanço. Aos que prometem reviravoltas, resta ainda mostrar como, por que e quanto elas significarão um ganho com relação à situação atual.

Que eu não seja, com isso, acusado de ser conservador. Com o sinal trocado, a mesma advertência se mantém: se o novo não é necessariamente melhor, tampouco é necessariamente pior! O binômio novo-velho não pode nem deve servir de critério para juízos políticos.

Quanto mais tempo demorarmos para ter clareza disso, aí sim, pior para todos nós.

Rafael Barros de Oliveira - Colaborador do Terraço Econômico

Notas:

[1] https://www.youtube.com/watch?v=Rev4XuXwayM

[2] Os editores do programa ainda fizeram questão de incluir uma menção sobre a (excessiva) quantidade de partidos políticos no país, à qual se seguiu a explanação de um mandatário afiliado ao PSDB sobre o projeto de reforma política e a importância da cláusula de barreira para reduzir o número de partidos. Que tal proposta seja capitaneada pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) é, naturalmente, mera coincidência.

[3] https://www.youtube.com/watch?v=KVonaLj0PoA

[4] https://www.youtube.com/watch?v=7L0a_u5sbYU

[5] Oriundo de um movimento iniciado em 2011, resta saber até quando o Novo poderá continuar usando esse nome.

[6] Há exceções, é claro. Nova Iorque, Nova Orleans e Novo México não deixarão de ser novos, nem a Nouvelle Vague, a Art Nouveau, o Cinema Novo, o Estado Novo, o Cruzado Novo, etc. Mas sigamos.

[7] Valeria a pena discutir o quanto isso se aplica ao conceito de inovação na economia. Haveria inovações que vem para pior? Haveria uma distinção entre novo e inovador que garantiria a este último um ganho de qualidade? Deixo essas perguntas para meus colegas economistas aqui do Terraço Econômico, todos muito mais qualificados e habilitados do que eu para respondê-las.

[8] É verdade que a ideia mesma de progresso tem sido alvo de questionamento, mas é igualmente verdadeiro que, no âmbito da cultura geral ou popular, isso está longe de fazer efeito.

Comentários

mm
Sobre Rafael Barros de Oliveira 20 Artigos
Formado em Direito pela USP, interessou-se pela teoria do direito produzida na Escócia antes de cair na filosofia da linguagem. Tomou o caminho mais longo, cursando a graduação em Filosofia na mesma USP, onde percebeu a tempo que do mato wittgensteiniano não sairá mais pato-lebre algum. Social-democrata por exclusão, acredita que a hermenêutica é o caminho para a emancipação. Foi pesquisador na Direito GV, na École Normale Supérieure de Paris e na Goethe Universität Frankfurt. É mestrando em Filosofia pela USP e agora tenta produzir suas próprias cervejas.