O custo de decisões equivocadas: PIB e o bolso vazio

Economia em pílula, uma dose de economia no seu dia | por Arthur Solow

Gostaríamos que o gráfico estivesse errado. Infelizmente, ele não está. Considerando a redução do PIB de -3,8% no ano passado e o encolhimento programado neste ano de mais -3%, a recessão acumulada chega a 8%.

Tendo em vista a recuperação lenta da economia brasileira prevista para os próximos anos [1], demorará 7 anos completos para atingirmos o nível de Produto que observamos em 2014. As decisões equivocadas a qual faço referência no título estão perfeitamente descritos no novo livro de Monica de Bolle: “Como Matar a Borboleta-azul: Uma Crônica da Era Dilma”. Sugiro fortemente a leitura. [2]

Produto Interno Bruto (PIB) às vezes não parece um nome bonito e facilmente decifrável para o não economês. Mas o seu crescimento contínuo e consistente é a base para a estabilidade política e social de um país. PIB é renda. PIB é salário. PIB é lucro. PIB é contas pagas no final de mês.

Não comemos PIB, certamente. Mas a projeção trazida pelo gráfico é uma péssima notícia para todos nós.

arthur-assin

 

 

 

Notas

[1] Esse artigo dá uma ideia: http://terracoeconomico.com.br/como-os-paises-se-comportam-apos-grandes-recessoes

[2] Mais detalhes do livro, aqui: https://goo.gl/Wr39um

Comentários

Sobre Arthur Solow 52 Artigos
Economista nato da Escola de Economia de São Paulo da FGV. Parente distante - diz ele - do prêmio Nobel de Economia Robert Solow, que, segundo rumores, utilizava um nome artístico haja vista a complexidade do sobrenome. Atualmente trabalha em uma empresa de consultoria para MPEs e possui experiência anterior de dois anos no mercado financeiro, em uma gestora de fundos de investimento. Possui artigos publicados na revista Agroanalysis, da FGV, direcionada a assuntos relacionados ao agronegócio brasileiro. Autor do extinto blog Política & Economia Brasil, incorporado ao Terraço Econômico, que ofereceu uma oferta significamente melhor que a do Facebook.