O sorte ou revés de Marina Silva

Na semana que se passou, duas importantes pesquisas de intenções de voto foram anunciadas: o IBOPE na quarta-feira e o Datafolha na sexta. Ambas revelam um cenário já esperado: Marina e Dilma vão para o confronto final, com vantagem para a primeira.

De volta ao tabuleiro de war do primeiro turno...

Intenções de voto no segundo turno. Fonte: IBOPE e DataFolha
Intenções de voto no segundo turno. Fonte: IBOPE e DataFolha

Marina de fato tirou 6 nos dois dados e conquistou a Oceania, ou melhor, os votos do Aécio e ainda pagou de esperta e atacou a América (no caso, os votos de Dilma) e venceu parcialmente o combate. Faltaram-lhe algumas tropas para ganhar de primeira, mas na segunda (segundo turno) serão mais fortes.

Com uma eventual vitória de Marina, o War ficaria de lado, mas o jogo não terminaria, só mudaria o tabuleiro. Guardemos as pecinhas do War eleitoral e vamos jogar uma espécie de banco imobiliário.

Intenções de voto no primeiro turno. Fonte: IBOPE e DataFolha
Intenções de voto no primeiro turno. Fonte: IBOPE e DataFolha

Começou o jogo...

Os “peões” no tabuleiro são três: Marina, Mercado e Congresso. Marina mal rolou os dados e já pegou um sorte e revés enorme no qual dizia “Você venceu as eleições! Parabéns! Mas corre o risco de ficar sem base aliada. Jogue novamente os dados”. Ela jogou e caiu na prisão da falta de apoio no congresso. Neste caso, precisa desesperadamente de um passe livre da prisão e que apenas o PMDB pode lhe dar. Infelizmente para Marina, o jogo é aquele antigo da sua tão odiada velha política e antigos caciques. Existe também a real possibilidade de um alinhamento da atual oposição (PSDB e DEM) com ela, uma vez tirando o PT do poder executivo, novos espaços se abrem para um diálogo com partidos hoje excluídos da órbita do Planalto. Uma vez costurados novos acordo as duas pecinhas, Marina e Congresso, avançam timidamente, ainda estão se conhecendo, testando a estratégia um do outro.

revés

Vez do mercado que joga seu dado e tira um 6 e cai na seguinte casa: Sorte: “Marina foi eleita, a confiança está subindo, a bolsa vai bem; Suas ações valorizaram e o ambiente de negócios tende a melhorar, avance mais 6 casas”.

sorte

Logo o mercado gosta de Marina. Como disse Gustavo Franco em “As Leis Secretas da Economia” na lei número 1: “[PRINCÍPIO DA CONVERGÊNCIA] O aplauso do mercado iguala todos os governantes” [1] Ou seja, pouco importa quem venceu, falando e fazendo o que agrada o mercado, todos serão iguais perante seus olhos. Dúvidas? Só lembrar de Lula em 2003, pouco antes das eleições o Brasil sofreu uma fuga de capitais devido a uma crise de confiança , o câmbio explodiu para perto de R$4,00 e os juros dispararam a reboque, tudo porque o mercado desconfiava de Lula, agora ele vibra a cada nova subida de Marina nas pesquisas. Confirmou-se que Lula uma vez no poder, se comprometeria com a estabilidade macroeconômica herdada de Fernando Henrique Cardoso. Dilma abalou a economia, Marina agora promete a devolver a estabilidade e quem sabe uma taxa de crescimento acima da média dos últimos 4 anos, de magros 1,9%.

Ainda na dinâmica Marina e Mercado, na última sexta feira o programa de governo da candidata do PSB foi publicado e suas propostas econômicas prometem melhora no ambiente de negócios, aumento dos investimentos do governo enquanto este diminui seus gastos primários[2]. E dedica uma página inteira para discutir o controle do banco central, inclusive defendendo uma meta mais baixa de inflação, mandato fixo para a presidência do banco e independência.

“Controle da inflação: restaurar o compromisso do Banco Central com o centro da meta em um ambiente de autonomia; reconquistar a confiança dos agentes no governo e nos dados por ele apresentados.”[3]

Resumindo, existe um compromisso com o famoso tripé macroeconômico: Câmbio flutuante, elevado superávit primário e inflação no centro da meta. No final das contas as pecinhas andam mais 6 casas.

Mas assim como no banco imobiliário, não existe um fim na jornada, existem repetições, o tabuleiro é um circuito, logo cada “giro” vai definindo a dinâmica e cada jogador vai criando posições fixas (quem nunca construiu uma casinha ou hotel no jogo?), ou seja, cada um vai demarcando seu espaço no tabuleiro, mudando a dinâmica do jogo, aqui a duração é de 4 anos e a interação do toma lá dá cá entre Marina (pode-se ler o poder executivo), com o mercado e o congresso, vai de fato definir o fim de um possível jogo, que se iniciaria em 01 de janeiro de 2015 e terminaria em 01 de janeiro de 2019, com uma possível segunda rodada.

Notas:

 [1] “As Leis Secretas da Economia”, Gustavo H. Franco, Zahar.

[2] Gastos correntes são todos os gastos do governo, excluindo investimentos.

[3] O programa de governo da Candidata Marina Silva pode ser encontrado na íntegra aqui.

 Victor Candido

1000likes

Comentários

mm
Sobre Victor Candido 48 Artigos
Mestrando em economia pela gloriosa Universidade de Brasília (UnB). Já pesquisou nos campos de economia ecológica, história econômica e política monetária, tem artigos publicados na Folha de São Paulo, Gazeta do Povo, UOL e revista de Economia da Faap. Atualmente é pesquisador assistente do CPDOC (O Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil) da FGV-RJ. Já trabalhou no mercado financeiro na área de operações e pesquisa macroeconômica. Graduou-se em economia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV-MG).

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*