Os ventos da mudança começam na Argentina

Economia em Pílula. Uma dose rápida de economia no seu dia | por Leonardo de Siqueira Lima

A América Latina sempre teve um pé no populismo, é verdade. Mas a partir de 2003 ela se superou. Foi Hugo Chaves na Venezuela, Nestor Kirchner na Argentina e Lula no Brasil.

E como todo populismo ele funcionou muito bem por alguns anos, mas também como todo o populismo ele teve o seu prazo de validade.

De 2003 a 2009 o crescimento foi razoável, mas a partir de 2010, a situação da Venezuela, Brasil e Argentina mostra que o populismo, cedo ou tarde, cobra o seu preço. É recessão atrás de recessão por quem optou por instigar a luta de classes e por conduzir a economia com ideologias ultrapassadas ao invés de gerar riquezas.

Mas com a vitória da oposição na Argentina, Mauricio Macri, o Kirchinerismo chega ao fim e os governos ditos socialistas começam a deixar o poder. O próximo será na Venezuela e depois o Brasil.

São os ventos da mudança.

Sem título

leo

Comentários

Sobre Leonardo Siqueira 51 Artigos
Exilado em Barcelona - Espanha Saído das camadas baixas da população brasileira, com muito esforço (e uma dívida imensa) conseguiu se formar na tão sonhada Escola de Economia de São Paulo da FGV. Não satisfeito com sua dívida da FGV resolveu fazer mais uma para cursar o Mestrado em Economia na Barcelona Graduate School of Economics, e fez o maior crowdfunding de educação da história do país. Nos tempos vagos tem o estranho hábito de assistir discursos de políticos como Collor, Barack Obama, John Kennedy e também do pastor Silas Malafaia, pois segundo ele, “esses caras vendem areia na praia”. O máximo que conseguiu com essas técnicas de persuasão, entretanto, foi uma cobertura extra no McDonald's. No ensino médio foi monitor de matemática e entrou pra história como primeiro monitor a ficar de “recuperação” com o restante da sala, mostrando desde cedo seu espírito de equipe. Tirando esses percalços da vida, possui diversos artigos nos principais veículos como: Valor Econômico, Folha de São Paulo, G1, UOL etc.

4 Comentário

  1. É muita soberba do autor colocar um gráfico de apenas "crescimento" do PIB. Qualquer economista informado, sabe que a análise dever ser mais aprofundada.

    Não defendo o populismo, mas o texto é raso e não é a tradição do site.

    • Oi Carlos, tudo bem?

      Primeiramente obrigado por participar!
      Este é um texto da categoria “Pílula”, no qual algum tema é debatido de forma rápida e descomplicada! O populismo já foi tratado aqui no Terraco de forma mais aprofundada! Veja o que acha desses artigos aqui: goo.gl/gEuSXe e goo.gl/PKRL6U
      E claro: se tiver algum contraponto mande para a gente pelo email terracoeconomico@gmail.com. Ficaremos felizes de receber seu texto!
      Grande abraço,

      • Obrigado pela resposta.

        O argumento de "eu enviar um texto" é retórico, estou acessando o site de vocês justamente para ter acesso ao contéudo, e não para produzir-lo.

        Claramente ele foi escrito de forma rápida e deseleixada (nem justificado o corpo do texto está), mas não descomplicou, e sim beirou a desonestidade intelectual e faltou com o rigor econômico, seja ele ortodoxo ou heterodoxo.

        Inclusive, faltou também a fonte dos dados.

        Confirmo novamente que o texto é fraquissímo.

        Abs

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*