A que(m) servem os rankings universitários?

O eterno retorno da resposta-padrão

Entra ano, sai ano, a história se repete: tão logo são divulgados os resultados de algum ranking universitário, a (pequena) cobertura midiática se manifesta na forma-padrão “universidade X sobe/cai Y posições em ranking internacional”. Também na variação: “universidade X tem Y cursos entre os Z melhores, segundo ranking internacional”.[1] Quase nunca outras informações acompanham essas manchetes; quando muito, há a especificação de qual ranking se trata e/ou um cotejo com outros rankings ou uma comparação com outras universidades nacionais, latino-americanas ou com o desempenho de uma mesma instituição com relação a anos anteriores.

De modo geral, a reação da administração universitária segue a mesma toada meramente informativa[2]. Alguns docentes reverberam a notícia, independentemente de compor algum dos cursos melhor avaliados, ecoando o sentimento de (sic.) “orgulho” em fazer parte de uma instituição premiada e reconhecida mundialmente.

Raros os casos em que se vê, de um ou de outro lado, uma reflexão sobre essas listas: seus critérios, suas metodologias e - mais importante - sua pertinência como métrica de qualidade para o ensino superior brasileiro. Esse silêncio implica (ou, ao menos, dá margem para tal) a aceitação tácita da avaliação e da concepção de universidade que ela pressupõe. As exceções merecem ser louvadas, e Sabine Righetti é uma delas. A pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e jornalista da Folha de São Paulo - criadora do blog Abecedário, dedicado à educação - deu uma entrevista sobre o assunto, ressaltando a necessidade da própria instituição definir suas prioridades, e não pautar seu planejamento por critérios externos, inclusive os rankings: “Se ela quer se firmar como uma universidade que é muito forte em extensão, que tem uma ação muito forte na sua região, que tem um impacto social, coisas que costumam não aparecer em rankings, que seja[3].

Ranqueando os rankings

Para que tal situação de autonomia crítica seja possível, é necessário, antes de mais nada, compreender como se constituem esses rankings. Focarei nos três principais: o Top Universities da consultoria Quacarelli Symonds (QS), o Times Higher Education, da revista britânica Times (THE) e o Academic Ranking of World Universities, da Universidade de Shanghai, na China (ARWU).[4]

O QS compõe sua nota a partir de seis critérios: 1) reputação acadêmica (40% da nota); 2) reputação junto aos empregadores (10%); 3) proporção estudante/docente (20%); 4) citações por docente (20%); 5) proporção de docentes estrangeiros (5%); 6) proporção de estudantes estrangeiros (5%). A universidade ideal para o ranking QS é famosa, especialmente entre os membros da comunidade acadêmica, pequena, o que proporciona uma menor quantidade de alunos por docente e voltada para a pesquisa.

O THE, por sua vez,  é composto de treze (!) indicadores, agrupados em cinco grupos: 1) ensino (30% da nota), incluindo reputação, proporção docentes-estudantes, proporção doutorandos-graduandos, doutorados concedidos por docente e renda da instituição; 2) pesquisa (30%), composto por reputação, verba de pesquisa e quantidade de artigos por docente; 3) citações (30%), normalizadas de acordo com o padrão da área de conhecimento a que pertence a pesquisa; 4) internacionalização (7.5%), a saber, proporção de estudantes estrangeiros, proporção de docentes estrangeiros e número de pesquisas em colaboração com o exterior; 5) renda industrial (2.5%), ou seja, receitas recebidas da indústria e parcerias. Na projeção do THE, uma universidade também deve ser famosa, mas deve principalmente ser voltada para a pesquisa de impacto - inclusive pelos critérios envolvendo a proporção de estudantes de doutorado.

Por fim, temos o ARWU, com seus seis critérios, todos voltados para a excelência na pesquisa: 1) número de egressos que ganharam um prêmio Nobel ou uma Medalha Fields (10% da nota); 2) número de docentes que ganharam um prêmio Nobel ou uma Medalha Fields (20%); 3) pesquisadores muito citados - segundo a lista da Thomas Reuters (20%); 4) quantidade de papers nas revistas Nature e Science (20%); 5) número de papers em revistas indexadas (20%); 6)  performance per capita (10%), a nota dos indicadores anteriores dividida pelo número de docentes em tempo integral. Ao contrário dos dois rankings anteriores, o ARWU não projeta uma instituição famosa - pelo menos não diretamente; acima de tudo, parece valorizar instituições voltadas para a pesquisa.

 

E nós com isso?

De maneira sintética, está desenhada a concepção de universidade ideal com base na qual se estruturam esses rankings: são universidades famosas, de porte reduzido e com foco primordial na pesquisa. Além dessas características, há um dado suplementar: trata-se de uma instituição que trabalha em língua inglesa - quer seja nos artigos produzidos (que se tornam acessíveis para mais leitores), quer seja nas aulas ministradas (abrindo espaço para docentes e estudantes estrangeiros integrarem seus quadros). Pois bem, é esta a universidade que queremos para o Brasil? Parece-me que, no geral, a resposta é negativa.

Além do impeditivo linguístico, que por si só prejudica o objetivo de internacionalização, há - em muitas áreas do conhecimento - um impeditivo temático aí envolvido: para publicar nos principais periódicos internacionais - e, com isso, aumentar o impacto dos trabalhos produzidos -, é necessário não só fazê-lo na língua deles (normalmente o inglês), como também falar sobre os assuntos por eles preferidos. Isso faz com que pautemos nossas pesquisas segundo uma agenda que nem sempre segue as preocupações e necessidades mais relevantes no cenário internacional e, não possuindo proximidade e vínculos fortes com alguns temas, nos condenemos à irrelevância ou a um papel secundário na produção internacional de conhecimento[5].

Outro polo de tensão está no foco em proporções de estudantes por docente, o que favorece a) instituições com poucos alunos; ou b) instituições com grande e amplo corpo docente. Dada a atual situação econômica do país, e o lugar subsidiário que a educação superior ocupa na ordem de prioridade das políticas públicas brasileiras, uma ampliação das contratações docentes em instituições consolidadas, visando a melhoria de seu ensino (já relativamente bom, segundo os critérios aqui expostos) e de seu desempenho em rankings parece fora de questão. A alternativa, para atender à pressão dessas listagens, seria reduzir o número de alunos, favorecendo a proporção com relação a professores. No entanto, nada me parece estar mais longe do modelo de universidades que construímos neste país: no estágio histórico que estamos, faz sentido que ainda menos pessoas entrem nas universidades? Ainda que se argumente, como eu já fiz aqui no Terraço Econômico,[6] por certas restrições nas universidades, é patente que o Brasil ainda é deficitário na oferta de vagas.

O saldo? Não se trata simplesmente de menosprezar ou ridicularizar rankings internacionais. Ao contrário, é salutar e positivo se posicionar criticamente perante eles, expondo sua metodologia e seus critérios e explicando por que eles se adequam (ou não se adequam) - e em que medida - à concepção de universidade que construímos e desejamos em nosso país. Retomando Righetti, as universidades precisam reafirmar sua autonomia e seus objetivos perante essas avaliações, sem deixar de considerar a importância de mensurar resultados práticos.

Qual é, então, o modelo universitário que desejamos? Como o governo o concebe? Como as universidades se concebem? Embora haja pistas sobre isso em meus textos anteriores aqui no Terraço, este será o assunto específico de um próximo.

 

Rafael Barros de Oliveira - Colaborador do Terraço Econômico

 

[1] http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/03/1864579-usp-fica-entre-as-50-melhores-do-mundo-em-oito-cursos.shtml

[2] http://www.usp.br/imprensa/?p=63445

[3] http://painelacademico.uol.com.br/painel-academico/8606-levantamento-pioneiro-revela-limitacoes-e-impactos-de-rankings-universitarios

[4] https://www.topuniversities.com/university-rankings-articles/world-university-rankings/world-university-ranking-methodologies-compared

[5] http://terracoeconomico.com.br/complexo-de-vira-lata-e-o-lugar-do-brasil-na-divisao-internacional-do-trabalho-intelectual

[6] http://terracoeconomico.com.br/universidade-e-universalidade-universidade-nao-e-para-todos-e-para-qualquer-um

Comentários

mm
Sobre Rafael Barros de Oliveira 29 Artigos
Formado em Direito pela USP, interessou-se pela teoria do direito produzida na Escócia antes de cair na filosofia da linguagem. Tomou o caminho mais longo, cursando a graduação em Filosofia na mesma USP, onde percebeu a tempo que do mato wittgensteiniano não sairá mais pato-lebre algum. Social-democrata por exclusão, acredita que a hermenêutica é o caminho para a emancipação. Foi pesquisador na Direito GV, na École Normale Supérieure de Paris e na Goethe Universität Frankfurt. É mestrando em Filosofia pela USP e agora tenta produzir suas próprias cervejas.

6 Trackbacks / Pingbacks

  1. A universidade vista por seus administradores: o caso da USP - Terraço Econômico
  2. Por que nossas universidades são um fracasso? - Terraço Econômico
  3. Educação em tempos de crise - Terraço Econômico
  4. Guerra cultural nos trópicos? - Terraço Econômico
  5. Quanto mais, melhor? - Terraço Econômico
  6. Universidade e tecnocracia: o caso japonês - Terraço Econômico

Comentários não permitidos.