Mais Chile, por favor

Semana passada, aqui no Terraço, publicamos um texto (Mais Chile e menos Argentina para o Brasil) comparando a economia brasileira com a chilena e a argentina. As conclusões do texto são muito claras: as medidas neoliberais adotadas pelo Chile ainda que de maneira dolorosa (como toda medida liberal) deram ganhos de longo prazo ao país e que deveríamos seguir os mesmos passos.

No entanto, o Brasil preferiu se aproximar da Argentina e de suas medidas heterodoxas. O controle dos preços administrados, a política industrial visando à proteção do setor através de forte taxação das importações e subsídios via BNDES, o aumento excessivo dos gastos públicos (muitos deles mascarados para que o superávit primário fosse alcançado) e a falta de comprometimento com o centro da meta de inflação de 4,5% fizeram com que o Brasil enfrentasse hoje um cenário péssimo de estaginflação e falta de credibilidade.

Caso alguém ainda discorde desse raciocínio e acredita que o Brasil tomou o rumo certo, tentarei mostrar que não há motivos para acreditar nisso, começando com uma breve apresentação de alguns indicadores econômicos no Chile.

Um panorama da economia chilena

Atividade - Segundo o indicador mensal de atividade do banco central chileno (IMACEC), a economia chilena atualmente cresce 2,3% ao ano abaixo da média recente de 4%). Além disso, como vemos no gráfico os investimentos têm caído, o que acentua  a preocupação com o crescimento.

Texto 7 - Imagem 1
Fonte: Banco Central do Chile

Texto 7 - Imagem 2
Fonte: Banco Central do Chile

Emprego - A taxa de desemprego, por sua vez, é de 6,1%, perto do menor nível histórico, com ganhos salariais de 6,2% ao ano que são acima da inflação.

Texto 7 - Imagem 3 Fonte: Banco Central do Chile

Texto 7 - Imagem 4Fonte: Banco Central do Chile

Inflação - Em relação à inflação propriamente dita, ela está em 4,8% ao ano, segundo a última divulgação de maio, bem acima da meta estipulada pelo banco central chileno, 3% com banda de 1%.

Texto 7 - Imagem 5 Fonte: Banco Central do Chile

Parece a economia brasileira.. mas não é

Feito essa tempestade de informações e números, vamos refletir por um momento e pensar o que esses dados podem nos dizer: esse cenário não é parecido com o que vivemos no Brasil? Ainda estamos falando da economia chilena? Sim, estamos.

Atualmente o Chile apresenta o mesmo problema da estaginflação que o Brasil e em ambos os casos, o mercado de trabalho se mostra apertado. Apesar das semelhanças com a situação econômica brasileira, elas param por ai, pois os motivos são bem diferentes.

Pelo lado da inflação, o principal motivo para ela estar alta foi a recente depreciação do peso chileno. Como o Chile é uma economia anos luz mais aberta, o repasse dos preços internacionais afeta com mais intensidade a inflação chilena, como, por exemplo, os preços da gasolina e do cobre. No entanto, essa alta é transitória, e, portanto, as expectativas não subiram apesar das recentes surpresas negativas em relação à inflação. Justamente o oposto ocorre no Brasil, onde preços de itens como a gasolina não são reajustados. Com isso a inflação brasileira ainda está dentro da banda (apesar de acima da meta), mas as expectativas de inflação sobem a cada nova sondagem, piorando o processo inflacionário.

Em relação à atividade, as soluções parecem mais fáceis para a economia chilena. O Banco Central do Chile já cortou em 100 bps a taxa de juros básica (TPM)[1] para estimular a economia. Na outra ponta, temos o Banco Central do Brasil que subiu a Selic em 375 bps, o que resultará em efeitos negativos para a atividade.

Política Fiscal: principal diferença

A política fiscal talvez seja o principal fator de divergência entre os dois países. No Chile, o fiscal tem um papel secundário. Há uma regra que estabelece como o governo pode gastar as receitas advindas do cobre e dos impostos, principalmente sobre a renda. Como grande parte das receitas é cíclica, a regra visa atenuar essas oscilações de forma a garantir um fiscal contracíclico. Nos relatórios do Banco Central do Chile pouco se menciona a política fiscal, uma vez que ela é basicamente uma variável exógena dada pela regra estabelecida.

Já no Brasil, a preocupação com o fiscal é gigantesca. Os gastos por parte do governo brasileiro são mais flexíveis e subjetivos (vide a política de subsídios do BNDES). O sistema tributário também não coopera para a transparência dos resultados. Diante de tanta complexidade, o governo não tem muitas dificuldades de mascarar os resultados, mas é melhor nem entrar nesse mérito.

A importância das instituições

Além dos fatores econômicos, um ponto relevante são as instituições. Devido ao histórico de combate a inflação, o Banco Central chileno adquiriu credibilidade e a confiança do mercado. Isso faz com que os agentes econômicos confiem na instituição e em relatórios e projeções quase que cegamente. Já o Banco Central brasileiro até desfrutava da mesma credibilidade no governo Lula e Henrique Meirelles no BC, apesar de ser em menor grau que no caso chileno. Contudo, as recentes decisões da instituição e do governo na era Dilma transformaram essa credibilidade em pó. Isso significa que na prática o mercado procura adivinhar a decisão da próxima reunião de política monetária quando deveria  se preocupar com as projeções num horizonte maior.

Por isso não é de se estranhar que, diante de um cenário de estaginflação, o Chile possa reduzir ainda mais a taxa de juros como está precificado no mercado e estimular a economia, enquanto que o Brasil seja obrigado a elevar os juros para readquirir a credibilidade perdida e, com isso, contribuir ainda mais com uma desaceleração da economia.

Brasil x Chile

Diante das medidas mencionadas acima, é fácil concluir que o Chile tem um futuro mais promissor que o Brasil. Todos os fatores levam a crer que, ainda que não esteja nos seus melhores dias, o primeiro tende a voltar a normalidade e dispõe de mais ferramentas para isso que o Brasil. Com as duas mãos atadas, o Brasil não tem nem a política fiscal nem a política monetária para estimular a economia.

Capturar

Ontem foram definidos alguns confrontos das oitavas de final da Copa do Mundo. Após a vitória do Brasil diante de Camarões e a derrota do Chile para a Holanda, nossa seleção enfrentará os chilenos na próxima fase. Apesar de torcer para a seleção canarinho dentro do campo, espero que haja uma goleada chilena no âmbito econômico daqui para frente. Mais Chile, por favor. Ah, e claro, Argentina nem dentro nem fora de campo!

Victor Wong
10150315_10203286615669938_2080093610_o

[1] TPM - Tasa de Política Monetaria

Comentários

mm
Sobre Victor Wong 26 Artigos

Mestrando pela Escola de Economia de São Paulo da FGV.

Já trabalhou no mercado financeiro na área de Pesquisa Econômica.

Interessa-se pelas questões fiscais e monetárias, além do fator político de cada uma das decisões tomadas no âmbito nacional e internacional. Em outras palavras, a “macro” é com ele!

Porém, bons argumentos nem sempre são suficientes para ganhar discussões. Dessa forma, utiliza-se de suas (poucas) habilidades de barman para embriagar as contrapartes. Nada como saber o ponto fraco de seus adversários… 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*