A relevância na torre de marfim: uma resposta a Gabriel de Arruda Castro e a Rogério Waldrigues Galindo

Na metade do mês passado, Gabriel de Arruda Castro publicou na Gazeta do Povo uma lista de dez monografias (dissertações de mestrado e teses de doutorado) “incomuns” apresentadas em universidades públicas – e, portanto, financiadas com dinheiro de impostos. Em breve introdução à lista, Castro caracterizou a universidade co-mo “um espaço aberto à criatividade e à inovação”, onde “toda forma de conhecimento é válida”, mas apontou que a “opção por temas pouco ortodoxos”, sobretudo na área de ciências humanas e sociais, gera trabalhos “difíceis de explicar ao contribuinte”, ou seja, cujo financiamento é de difícil justificativa.

O texto gerou polêmica, provocando a resposta de uma pesquisadora cuja tese figurava na lista e levando Castro a explicar melhor o que pretenda dizer com a referida publicação. Para Castro, o Estado só deve financiar pesquisas que a) possibilitem a realização de empreitadas que não seriam viáveis com meios privados – “não se pode (...) construir um propulsor de foguetes no quintal de casa”, ou b) promovam “a elevação, não o rebaixamento moral”, uma das funções da universidade.

Rogerio Waldrigues Galindo entrou no debate em seu blog nesta Gazeta, mostrando como a concepção de Castro evoca, para os leigos, a academia como “a torre de marfim onde se estudam os clássicos da antiguidade: a universidade seria o lugar de se estudar (...) o pensamento do homem europeu, branco e morto”. Galindo parece ver em Castro uma ideia de universidade vinculada à utilidade, especialmente às matemáticas e às ciências exatas, onde não haveria espaço para as humanidades, por assim dizer, desinteressadas.

Buscando articular a defesa de uma universidade mais inclusiva, do ponto de vista intelectual, ele monta o seguinte raciocínio: o objetivo principal das pesquisas acadêmicas é a formação, ou seja, importa mais adquirir ferramentas teórico-metodológicas de investigação (procedimento) do que o produto gerado ao final do pro-cesso (conteúdo); a utilidade é uma noção-fetiche, estreita demais para englobar a riqueza da universidade, “a ideia de que devemos estudar tudo o que houver”.

O debate é controverso e multifacetado. Desde o final do ano passado, tenho escrito no Terraço Econômico sobre o tema, já havendo discutido alguns dos pontos que foram levantados no debate aqui na Gazeta, para os quais gostaria de chamar a atenção.

Confira a versão completa deste artigo de Rafael Barros de Oliveira em sua publicação original na Gazeta do Povo.

Comentários

mm
Sobre Rafael Barros de Oliveira 38 Artigos
Formado em Direito pela USP, interessou-se pela teoria do direito produzida na Escócia antes de cair na filosofia da linguagem. Tomou o caminho mais longo, cursando a graduação em Filosofia na mesma USP, onde percebeu a tempo que do mato wittgensteiniano não sairá mais pato-lebre algum. Social-democrata por exclusão, acredita que a hermenêutica é o caminho para a emancipação. Foi pesquisador na Direito GV, na École Normale Supérieure de Paris e na Goethe Universität Frankfurt. É mestrando em Filosofia pela USP e agora tenta produzir suas próprias cervejas.