A Crise e o Estado de Confiança

    2
    833

    Você no Terraço | por Benito Salomão

    Era muito comum ao longo dos anos do “Milagre” heterodoxo que vigorou no Brasil entre 2008 e 2011 encontramos depoimentos de economistas de dentro do governo ou simpatizantes dele cuja reputação lhes confere algum prestígio atribuir o momentâneo sucesso das políticas em vigor a uma eventual retomada do “receituário keynesiano”.

    Hoje muitos destes economistas se recolheram das suas opiniões antigas ou então tentam com alguma perplexidade encontrar alguma explicação para o fracasso da “Nova Matriz Macroeconômica”, uma vez que, dado que a ação do Estado estava segurando através da expansão do gasto público e manuseando para baixo as taxas de juros, isto deveria ter incentivado o investimento privado para ampliar a capacidade da oferta.

    Estes economistas foram entusiastas desta “Nova Matriz” por serem crentes no princípio da Demanda Efetiva, discutida no capítulo 03 da Teoria Geral: trata-se de um resgate que Keynes faz a Malthus que acreditava existir na ausência geral de demanda o fator de instabilidade e de crises nas economias capitalistas.

    Ao definir a Demanda Efetiva sendo composta por consumo e investimentos, Keynes irá desdobrar entre os capítulos 8 e 11 os elementos que irão respectivamente definir ambos, primeiramente o consumo é uma variável mais estável, suas flutuações dependem pouco da taxa de juros, seu comportamento é balizado pela renda e pelo que ele denomina como propensão a consumir dentre os quais ele elenca fatores objetivos e subjetivos que a determinam em cada sociedade. O investimento é o fator mais problemático nesta visão, por ser relativamente mais instável e sujeito a flutuações. Isto por que a decisão de investir depende, em última instância, da comparação entre a taxa de juros com a eficiência marginal do capital que consiste no cálculo sobre bases precárias da esperança de rendimentos futuros que este bem de capital promete render-lhe na forma de lucros monetários.

    Neste sentido, a grande contribuição de Keynes não está no princípio da demanda efetiva, mas sim nos fatores que a determinam, sendo estes dependentes em grande parte da expectativa acerca de eventos futuros cujo a capacidade de realizar-se é a todo momento perturbada pela presença da incerteza.

    De volta à conjuntura da economia brasileira, o que aparentemente apresentava ser, na visão dos mencionados economistas uma política keynesiana, na verdade não passara de um manuseio mal feito de políticas fiscal e monetária que serviram muito mais para despertar desconfiança no setor empresarial do que para preservar a demanda efetiva, uma vez que a aceleração do gasto público apenas substituía o gasto privado que passou a se retrair, sobretudo o investimento a partir de 2011.

    O pecado destes economistas esteve exatamente em ignorar o fator determinante dos investimentos, que é exatamente o Estado de Confiança, isto é, dado a irreversibilidade das decisões de investimentos, elas só serão tomadas num ambiente de menor risco, independente da taxa de juros;  isto porque, de nada adianta esta ser demasiadamente baixa se a eficiência marginal do capital (esperança de rendimentos futuros pagas pelo emprego do bem de capital) também está caindo em proporção maior.

    Penso que o Estado de Confiança perdido com a chamada “Nova Matriz” é o plano de fundo da crise brasileira atual. Restaurá-lo é a chave da retomada, embora não seja uma tarefa trivial.

    Benito Salomão
    Economista, escritor e empresário
    Sócio diretor no Grupo Salomão de Varejo

    Comentários

    2 COMENTÁRIOS

    1. O autor do texto não entendeu o que aconteceu no Brasil nos últimos anos.

      Além do texto ter sérios problemas de português, mostra que o autor parou de ler qualquer coisa de economia em 1937. Já ouviu falar na Crítica de Lucas e em todos os desenvolvimentos da teoria econômica desde então?

      O problema do Brasil não é apenas de confiança, é dos determinantes do crescimento. A economia atingiu o pleno emprego em 2010 e nada foi feito para retirar os obstáculos da economia, que fariam o investimento e a produtividade aumentarem. Pelo contrário, a Nova Matriz só reduziu a previsibilidade da economia brasileira.

      Além disso, com os estímulos à demanda, em um cenário de salários crescendo além da produtividade, o país passou a ter mais inflação e mais déficit em conta corrente, com menos crescimento.

      Para voltar a crescer, vamos ter que fazer reformas, melhorar o ambiente de negócios. O aumento da confiança só virá quando o governo parar de acreditar nessas teorias heterodoxas cafonas de 80 anos atrás.

      Brincadeira.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here