Existem limites para a inovação?

A briga entre taxistas e motoristas do Uber se estende há meses

Artigo publicado em 03/09/2015, no jornal Gazeta do Povo, na parte "Opinião"

Nas últimas semanas, um debate acalorado tem ganhado espaço nas rodas de conversa e nos corredores do poder: as supostas vantagens fiscais e econômicas que Netflix, WhatsApp e Uber tinham sobre outras empresas já constituídas. Segundo alguns, como o atual ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, seria necessária uma nova regulamentação com o objetivo de tornar igualitário o tratamento das empresas que competem nos respectivos mercados. Vistas por outro prisma, as investidas de alguns grupos contra esses “novos” entrantes podem ser entendidas como uma tentativa de frear a inovação trazida por essas empresas, considerando a ameaça de perda de poder de mercado desses grupos. Contudo, a maioria dos economistas tem uma opinião convergente: o crescimento econômico é estritamente correlacionado à inovação tecnológica.

Robert Solow, um dos primeiros economistas a estudar sistematicamente o tema do crescimento, notou que a inovação tecnológica era a única variável que poderia explicar o crescimento econômico sustentado no longo prazo. Pouco depois, Joseph Schumpeter trouxe a teoria da destruição criativa, que tratava a inovação como fator central na retomada da economia e na determinação (ou extinção) dos ciclos econômicos. Dessa forma, os novos produtos e processos empresariais seriam os responsáveis pelo crescimento da economia mundial.

---------------->>>Continue lendo aqui <<<------------------------

arthur-assin

 

 

Devido a um acordo com o Jornal Gazeta do Povo, periódico de maior circulação no estado do Paraná, o Terraço Econômico publica apenas um trecho do artigo, que pode ser lido na íntegra por meio do link: http://goo.gl/UaC4q2

Comentários

Sobre Arthur Solow 47 Artigos
Economista nato da Escola de Economia de São Paulo da FGV. Parente distante - diz ele - do prêmio Nobel de Economia Robert Solow, que, segundo rumores, utilizava um nome artístico haja vista a complexidade do sobrenome. Atualmente trabalha em uma empresa de consultoria para MPEs e possui experiência anterior de dois anos no mercado financeiro, em uma gestora de fundos de investimento. Possui artigos publicados na revista Agroanalysis, da FGV, direcionada a assuntos relacionados ao agronegócio brasileiro. Autor do extinto blog Política & Economia Brasil, incorporado ao Terraço Econômico, que ofereceu uma oferta significamente melhor que a do Facebook.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*