PIB recua 0,8% no terceiro trimestre e aprofunda recessão em 2016

O ano está acabando, mas a recessão não.

Nesta manhã o IBGE divulgou o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro do terceiro trimestre, que mostrou contração de 0,8% em relação ao segundo trimestre, após devidos ajustes sazonais. O resultado sinaliza um aprofundamento da recessão, visto que a queda atual supera aquelas verificadas no primeiro e segundo trimestres, e vai exatamente em linha com a média estimada pelo mercado, de –0,8% (conforme levantado pelo Bloomberg).

Fonte: IBGE. Elaboração própria.
Fonte: IBGE. Elaboração própria.

É bem verdade que essa aceleração já havia sido apontada por diversos indicadores antecedentes, dentre eles o chamado IBC-Br – proxy mensal do PIB elaborada pelo Banco Central. Ainda assim, os péssimos resultados recentes têm surpreendido a maior parte dos analistas, inclusive este que vos escreve, que estavam mais otimistas devido à forte retomada dos índices de confiança e de estoque.

Abaixo temos a tabela dos resultados das Contas Nacionais, tanto na ótica da oferta, quanto da demanda.

Fonte: IBGE. Elaboração própria.
Fonte: IBGE. Elaboração própria.

Dentre os componentes, merece destaque a nova retração do Consumo das Famílias (-0,6%), que completa seu sétimo trimestre seguido de recuo, situação inédita em toda a série histórica iniciada em 1996. A constante queda da renda, o aumento da taxa de desemprego e a restrição nos canais de crédito sustentam esse cenário desastroso, que leva consigo setores como o de Serviços e outros setores industriais ligados à renda, como os bens de consumo. O setor externo, até pelo seu tamanho, exerceu pouco impacto líquido na formação do PIB.

Além disto, os Investimentos (ou Formação Bruta de Capital Fixo) voltou a recuar, após ter estancado a sangria no segundo trimestre do ano. O grande mergulho parece não ter seu fim. Por sua vez, o péssimo resultado da indústria (-2,9%), amplamente antecipado pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do IBGE, diverge da retomada da confiança do setor no período, tendo a fortíssima queda da produção no mês de agosto construído um péssimo cenário para o desempenho do setor no trimestre.

A despeito de todo esse cenário negativo, há fundamentos (inflação, juros e confiança) que sugerem uma situação de menor retração nesse último trimestre de 2016 e já uma possível melhora nos primeiros meses de 2017.

Até o fim do ano devemos ter a PEC 55 – a do teto dos gatos – aprovada, mas ficará para o ano que vem as surpresas advindas dos Estados Unidos, com Trump, da Europa, com a consolidação do Brexit e as eleições presidenciais nos principais países, e possíveis desdobramentos da Lava Jato, no âmbito nacional.

Devemos sair da recessão em 2017, mas com um desempenho tão pífio que praticamente estaremos andando de lado. Ainda assim o fato de a atividade parar de despencar já será uma boa notícia.

Arthur Lula Mota

Editor do Terraço Econômico

Comentários

Sobre Arthur Lula Mota 45 Artigos
Economista pela Universidade Federal de São Paulo, liberal por excelência. Já trabalhou no mercado financeiro, auxiliando Mesa de Operações de fundos institucionais e departamento econômico com análise macro. Gosta de trabalhar na análise de conjuntura econômica, com projeções e discussão de cenário nacional e internacional. Acredita firmemente nos valores da democracia, liberdade e economia de mercado. Além disto, descobriu a pouco um novo amor: a filosofia. Embora esteja longe de dominar a arte, não abre mão de doses diárias desse remédio para alma. Nos tempos vagos, é torcedor alucinado de futebol.