Canalhice Econômica - o velho truque da marreta (Parte II)

Terraço Econômico | por Leonardo Palhuca

- Essa meta aqui está meio marretada! - Não, não está! Veja, cumprimos a meta!

Na primeira parte do artigo, discutimos algumas propostas para arrumar a economia brasileira apresentadas pela Fundação Perseu Abramo (ligada ao Partido dos Trabalhadores) no documento "Por um Brasil justo e democrático". O documento pode ser acessado na íntegra aqui.

Dando continuidade à nossa crítica, apresentamos mais 3 pontos abordados pelos economistas que assinaram o documento e o porquê de sua inviabilidade...ou melhor, a desvirtuação do debate para conceitos nebulosos que tentam ludibriar o leitor e afastar os economistas signatários do documento da crise econômica engendrada por políticas que encontram forte consenso dentre esses mesmos economistas.

E não é demais repetir o parágrafo da parte I do artigo: uma das características da canalhice econômica é querer mudar as métricas de avaliação quando não se atinge o resultado satisfatório numa métrica pré-estabelecida. Ou tentar desviar o debate dos resultados para discutir os conceitos após a adoção deles para balizar a política econômica. Basicamente o que você fazia quando era criança e tirava nota vermelha no boletim e dizia: mas mãe, o Joãozinho tirou menos que eu e a professora não gosta de mim!

Aqui vamos com mais propostas:

3.5. AMPLIAR O DEBATE SOBRE AS CAUSAS DA INFLAÇÃO E OS INSTRUMENTOS PARA COMBATÊ-LA

Quando em desvantagem em um debate intelectual, uma boa tática da canalhice econômica é lançar o Super Trunfo. São frases de efeito que impressionam parte da audiência, mas que não contêm substância e não propõem nenhuma solução, é o caso de chavões como: "precisamos ampliar o debate", "precisamos repensar esse conceito", "a quem interessa esse argumento" etc.

Primeiramente uma definição de inflação que todos os economistas (e não economistas) devem ter em mente: aumento constante de preços. Assim, se os custos de produzir bens e serviços sobem em um ano e param, isso não caracteriza inflação.

Posto isso, o diagnóstico de inflação do Brasil para a implementação do Plano Real foi certeiro. Havia basicamente impressão constante de moeda para financiar gasto público ano após ano, que tomava diversas formas, como o uso de bancos públicos para fechar as contas estaduais. Com o diagnóstico correto, o remédio também foi correto. Saneamento das contas públicas e uma âncora nominal (que de 1994 até 1999 foi a taxa de câmbio e a partir de 1999 a meta de inflação).

A ameaça de retorno de alta inflação tem também sua origem no gasto público e nas manobras para fechar as contas, como empréstimos junto a bancos públicos (sim, as pedaladas fiscais julgadas anteontem pelo TCU). Portanto, não é necessário ampliar o debate sobre a inflação, é necessário seguir a regra criada que vinha dando certo.

Porém, mais fácil que admitir erros de política econômica é apelar para o Super Trunfo da Canalhice Econômica: precisamos analisar melhor a inflação que já havíamos controlado.

3.6. ESTABELECER O DUPLO MANDATO DO BANCO CENTRAL: ESTABILIDADE DE PREÇOS E EMPREGO

Aqui a proposta é que o Banco Central tenha em seu mandato não somente a meta de inflação, mas também que leve em consideração a taxa de desemprego. O duplo mandato é praticado por alguns Bancos Centrais no mundo, como dos EUA (apesar de o Fed não ter uma meta de inflação explícita como a nossa).

A proposta carece de explicações sobre quais instrumentos utilizar para cumprir dois mandatos simultaneamente ou qual peso atribuir à inflação e ao desemprego. E ainda perde de vista o maior problema que acomete nossa autoridade monetária: a perda de credibilidade para entregar uma simples meta.

Ninguém mais acredita que o Banco Central persiga a meta de 4,5%, assim, quando os agentes ajustam seus preços, eles não esperam mais uma inflação de 4,5%, mas sim de 6,5%, 7,5%, 10%. E a perda de credibilidade nada tem a ver com o mandato ser único ou duplo. Tem a ver com as sucessivas falhas em entregar a inflação na meta.

Mas novamente, a proposta somente parece uma justificativa para a barbeiragem no controle da inflação, que tenta ser corrigida agora com uma forte alta da Selic combinada com o aumento da taxa de desemprego. E para justificar que não falhamos em 2012, apela-se para a mudança da meta sem indicar quais as consequências disso ou explicar tecnicamente como fazê-lo.

3.7. REGULAR O MERCADO DE CÂMBIO

A ideia é criar restrições para o mercado de câmbio, impedindo alguns instrumentos derivativos ou "especulativos". Mesmo sem prover os dados necessários para justificar as propostas, o documento indica que a taxa de câmbio no Brasil é das mais voláteis do mundo e é formada por especuladores.

Os economistas se esquecem de explicar ao leitor que há benefícios nos instrumentos financeiros ligados à taxa de câmbio e que boa parte da valorização da taxa de câmbio real no Brasil advém da indisciplina financeira do governo e da baixa taxa de poupança. Com alta inflação comparada ao resto do mundo e recorrente auxílio da poupança externa para financiar nossos investimentos o câmbio real só tende a se valorizar. A solução passa por baixa inflação e maior taxa de poupança, mas nossos economistas preferem a solução mais capenga.

Assim, a proposta de controlar o mercado de câmbio traz um efeito perverso, muito conhecido para quem frequentou a primeira aula de microeconomia na graduação. A criação de um mercado paralelo de câmbio. Quando se controla quem vai pagar quanto pelos dólares no Brasil, os amigos do rei venderão seus dólares obtidos a preços vantajosos em um mercado paralelo a preços mais próximos ao que o mercado quer pagar.

Exemplo? Nossos vizinhos argentinos possuem o chamado Dólar Blue (ninguém sabe explicar o porquê do nome) que pode ter sua cotação verificada até por um aplicativo para seu smartphone: www.dolarblue.net.

Na cotação oficial do mercado cambial "controlado", paga-se 9,42 pesos argentino por dólar. No paralelo, paga-se 15,7 pesos por dólar. Os amigos do rei conseguem lucrar 67% somente por terem acesso ao câmbio oficial.

Se a ideia do documento da Fundação Perseu Abramo era buscar auxílio na experiência internacional, alguns casos foram omitidos em nome da canalhice econômica.

Leonardo Palhuca
Editor Terraço Econômico

Comentários

mm
Sobre Leonardo Palhuca 99 Artigos
Mestre em Economia pela Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (apóstolo de Hayek). Após a graduação trabalhou no Instituto Brasileiro de Governança Corporativa tentando fazer as empresas brasileiras se comportarem. Em vão! Também foi pesquisador o Walter Eucken Institute onde tentou fazer os estados alemães controlarem suas dívidas. Em vão! De quebra, sofreu lavagem cerebral da doutrina do ordoliberalismo para retornar ao Brasil e implantar ideias pouco ortodoxas como: respeito às leis que regem as atividades econômicas, liberdades individuais e pouca intervenção direta do estado na economia (e rigor fiscal, adicionalmente). Interessado em macroeconomia - política monetária e política fiscal - e no buraco negro das instituições.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*