A Importância das Ligas Universitárias de Mercado Financeiro

S

“A mercadoria de maior valor que conheço é a informação”

-Gordon Gekko, em “Wall Street, Poder e Cobiça”

O mercado financeiro é conhecido, mundialmente, por atrair os melhores profissionais, não só pela remuneração atrativa e volume financeiro transacionado, mas também pelo ambiente altamente meritório, que envolve uma grande complexidade e da valorização da análise acurada e precisa.

Um prato cheio para jovens brilhantes e sonhadores.

Não é incomum encontrar estudantes de graduação que almejam um dia atuar no mercado financeiro, e ainda menos incomum, estudantes que querem trabalhar no mercado financeiro, mas não fazem ideia de por onde começar, quais questões levar em conta, quais conhecimentos, possibilidades... deve ser um banco de investimento? Uma asset? Um private equity? Tenho de saber muito de VBA? Como passar no processo seletivo? Grande banco? Estrangeiro? Boutique? São muitas questões, para algo que inicialmente aparenta ser inalcançável e restrito a alguns poucos privilegiados.

Nesse sentido, buscando clarear toda essa nebulosidade existente, grupos de estudantes começaram a se organizar em formatos de ligas e associações com uma finalidade bem específicas: aumentar os seus conhecimentos em mercado financeiro (nas mais diversas áreas), desenvolver as skills necessários e principalmente se aproximar já na graduação das instituições, seja por palestras, visitas técnicas ou challenges.

Basicamente, as ligas são compostas por estudantes que se organizam por funções e cargos. A hierarquia existe de forma leve e para direcionar responsabilidades, existindo diretorias específicas para marketing, operações, finanças, educação, eventos e presidência, compondo assim a gestão do ano correspondente. O mais interessante é a equipe de gestão do ano anterior participar do processo de seleção dos novos membros, para que estes assumam os postos no novo ano. Esse sistema gera ganhos enormes, não só pela proximidade, mas pelo legado que os ex-membros deixam, e que no longo prazo, ao estarem atuando no mercado financeiro terão sua antiga liga como referência.

O conceito de finance club há tempos é consolidado em universidades estrangeiras, sobretudo nas americanas Harvard, Yale e Stanford famosas por, anualmente, promoverem grandes encontros, desafios universitários e cursos específicos. No Brasil, a prática começou mais tardiamente nas universidades do Sudeste, especialmente em USP, FGV e Insper em meados de 2008, pelo fato de estarem mais próximas dos centros financeiros e suas grades curriculares já serem direcionadas para a formação de profissionais de mercado.

Porém, este foi apenas uma semente de um movimento crescente e a aspiração de jovens de um dia atuarem no mercado financeiro ultrapassa as grandes capitais e se espalha por todas grandes universidades brasileiras, sendo que atualmente existem mais de 30 instituições estudantis criadas especificamente para tratar de temas de mercado financeiro e que possuem por mais de 330 estudantes espalhados por todas as regiões do país, seja em universidades públicas (federais e estaduais) e privadas, ainda assim concentrados nos estados do Sudeste.

Fonte: CNLMF, Elaboração própria
Fonte: CNLMF, Elaboração própria

Se analisarmos atentamente o segundo gráfico, fica claro que o movimento ganhou mais força nos dois últimos anos, tal movimento de formalização das ligas de mercado encontra sua explicação em um fator especial: a criação do Conselho Nacional de Ligas de Mercado Financeiro, instituição fundada pelos próprios estudantes e já integrantes de ligas em suas respectivas universidades. Tendo como objetivo ser o órgão representativo em âmbito nacional de todas as ligas existentes, terá o papel de uni-las em um ambiente de cooperação e troca de informações. Portanto, após verificar sua fundação, muitos dos estudantes que tinha um dia almejado viabilizar um liga em suas universidades encontraram o momento oportuno para concretizá-los.

O CNLMF, fundado em 2016, conta com diretores eleitos de diversas Ligas Universitárias, cuja cúpula se reúne semanalmente com a finalidade de prestar assistência a potenciais Ligas de Mercado Financeiro e elaborar atividades conjuntas, buscando estabelecer uma rede de contatos entre os estudantes e o mercado de trabalho. Dentre alguns projetos, vale destacar:

  • Conferência Nacional Das Ligas De Mercado Financeiro

A Conferência Nacional Das Ligas De Mercado Financeiro é o maior evento do Movimento das Ligas e Clubes de Mercado Financeiro, o evento acontece anualmente com diferentes painéis a cada edição. Os associados congressistas têm a possibilidade de assistir palestras, workshops e cases, além de participar de rodas de discussões, após o encerramento de cada painel. Esse ano o evento acontecerá dia 26 de novembro na Fundação Getúlio Vargas São Paulo.

  • Competições (Challenge)

O conselho também é responsável pela organização de competições entre as Ligas, com foco na análise fundamentalista e compartilhada com profissionais do mercado. Os estudantes ganham experiência no mundo dos negócios, uma vez que assumem o papel de analistas de investimentos e são testados em sua capacidade de avaliação de empresas, redação de relatório e apresentação de recomendações. Cabe ressaltar, que no primeiro semestre de 2017 ocorrerá o Challenge promovido em parceria pela Constellation Asset Management e outras Ligas de Mercado Financeiro.

Vale citar a atuação do Conselho no que tange a assistência às Ligas iniciantes e potenciais por meio de sugestões de melhores práticas de gestão nas áreas financeiras, jurídica, comercial, relações institucionais e demais áreas. Recentemente, o Conselho lançou uma cartilha para os estudantes que têm o entusiasmo de abrir uma Liga de Mercado Financeiro na sua respectiva universidade, contudo não sabem por onde iniciar.

Por último, a concepção de um Editorial Nacional, cujo objetivo é a fomentação e produção de conteúdo sobre diversos temas do mercado, como análise macroeconômica, análise de empresas, performance de ações, novas tecnologias, estratégias corporativas e etc, sendo que todo este material ficará disponível aos membros associados.

Fica evidente que o movimento de consolidação de Ligas e do CNLMF é definitivo e traz consigo novos ares, renovando os antigos paradigmas do mercado no qual apenas algumas universidades dominavam e o conhecimento era mantido restrito a poucos. O mercado financeiro é definitivamente um ambiente com inúmeras possibilidades e áreas de atuação, e que proporciona a quem escolhe uma visão de mundo única e moderna; portanto, nada melhor que mais jovens buscando este espaço.

Pedro Lula Mota, editor do Terraço Econômico

Angelo Nieves Fiordelisio, economista pela UNESP, e Vice-Presidente do CNLMF e Presidente da Liga de Mercado Financeiro da UNESP

 

Comentários

mm
Sobre Pedro Lula Mota 46 Artigos
Economista pela UNICAMP (não, não sou keynesiano), como passagem pela Universidade do Porto - Portugal. Atua no intenso mundo de investimentos, é Especialista em Investimentos (CEA -ANBIMA) e Gestor de Recursos de Terceiros (CGA - ANBIMA). Admirador da arte da fotografia, principalmente de lugares extremos e excêntricos, pretende no futuro viver de renda e se jogar nessa longa estrada da vida.